Paris dia 1: Arco do Triunfo, Tuileries e um desabafo

Enfim começando os posts sobre Paris, essa cidade que 99% do mundo ama, todo mundo indica, brasileiros endinheirados visitam 1, 2, 10 vezes durante a vida e eu não consigo apaixonar (muito #firstworldproblems mas é verdade). Não sei se pelo fato de já ter ido lá algumas vezes a trabalho e sempre ter problemas, ou se por lidar com certos franceses-nariz-empinado com certa freqüência ou pela poeira encrostada de séculos e séculos que parece estar em todo lugar e ninguém se preocupa em limpar..

DSC_0005

Ou se pelo motivo número 1 que reúne todas as pessoas que não gostam de Paris e já virou um super clichê: as pessoas. (Sim, vou ter que reclamar aqui no começo do post e get it out of my system pra depois conseguir escrever mais amavelmente sobre a cidade, quem não quiser ler pule aí uns 7 parágrafos ok?)

O conceito de serviço simplesmente não existe lá. Ou existe, desde que você seja milionário e fique nos melhores hotéis, coma nos restaurantes mais caros e faça compras nas maisons francesas, mas tenho lá minhas dúvidas. O restaurante aleatório que você para pra almoçar? A recepcionista do hotel? O cara do metrô? Não espere simpatia de ninguém – ou melhor, não espere nem uma resposta mais educada pra não ser pego de surpresa.

DSC_0014

Exemplo: quando fomos no super hypado Paris New York provar o hambúrguer e perguntamos se tinha mesa para 2, debaixo da chuva na porta do restaurante, o garçom disse simplesmente “não”. Nada de dizer que sente muito, ou quanto tempo vai demorar até ter, ou perguntar se sentar no terraço coberto estaria ok pra a gente – tinha uma mesa vazia a dois passos -, só aquele completo “não, e também não tô nem aí se vocês resolverem ir embora”.

DSC_0010

Os 3 dias que passamos lá foram repletos de acontecimentos desse tipo e a impressão é que ninguém tá nem aí pra o que você vai pensar ou a sua experiência, porque “isso aqui é Paris e se você não gostar tem mais 30 turistas vindo logo ali e meu salário tá garantido”. Não sei se fiquei mal acostumada porque Londres foi a primeira cidade européia que conheci e aqui mesmo no pub da esquina mais baratinho as pessoas te tratam bem e demonstram interesse, ou se simplesmente demos azar (mentira, essa hipótese eu nem considero, todas as vezes de Nicolas na cidade também foram assim) e sei que não devia comparar.. Mas não tem como. Nenhuma das cidades que já visitei me deixaram com esse gosto de “é legalzinha, mas que bom que vamos embora amanhã” que Paris deixou.

DSC_0021IMG_1390

É ridículo, mas no fim do dia eu me sentia mentalmente exausta e não queria mais ver ou falar com ninguém, sabe como é? A cidade é cara, cara pra caralho, mas o problema é que a experiência nunca condizia com aquilo que estavámos pagando (o nosso hotel ~quatro estrelas~ era uma piada: buracos nos lençóis, barulhento de madrugada, ninguém ajudou a gente com nada do que precisamos e o preço, obviamente, nada barato). Sempre ficava aquela sensação de estar sendo extorquida e ainda por cima tratada com, na melhor das hipóteses, descaso.

E antes que digam que é porque parisienses são orgulhosos com a sua língua e respeitam mais quem não chega falando em inglês: Nicolas é belga, a língua materna dele é francês e foi só assim que ele falou, fomos sorridentes e perguntamos como as pessoas estão e nem por isso nossa experiência foi boa.

DSC_0023IMG_1391

Enfim, poderia continuar escrevendo por parágrafos e mais parágrafos mas é o tipo de coisa que só da pra entender estando lá.. Mas como a cidade é bonita e tem muitas coisas que ainda quero ver/fazer, vamos voltar um dia num futuro beeeeem distante já que é só cruzar o canal. Nesse esquema de passar uns dois dias a cada três anos, o tempo perfeito pra ver umas coisas e voltar feliz da vida (isso NUNCA acontece comigo, não sou dessas que acha que o melhor de viajar é chegar em casa!). Mas se eu morasse no Brasil e tivesse que gastar milhares pra ir a Paris, com tanta coisa maravilhosa pra ver e gente simpática na Europa e no resto do mundo, pardon Parrí, essa teria sido a última vez.

DSC_0034

Agora vamos aos pontos positivos e sem mais reclamação: a cidade é linda! Eu que sou louca por arquitetura não me controlei e meu computador tá cheio de fotos de prédios e ruas normais, onde as pessoas moram e trabalham, de tanto que todos são lindos e parecem saídos de um filme. Eu passei o primeiro dia sozinha e quando finalmente criei coragem pra sair da cama fiquei perambulando pela vizinhança do hotel, andando sem rumo e admirando os prédios.. Mil fotos depois me mandei pro Arco do Triunfo!

Fomos no começo de outubro, a temperatura estava uma delícia e o dia ensolarado – condições perfeitas pra uma caminhada de reconhecimento até onde as pernas aguentarem! Fui descendo a Champs-Élysées e me apaixonando ainda mais pelas janelas, varandas de ferro retorcido, detalhes esculpidos nas fachadas.. E sempre virando pra tirar só mais uma foto do Arco! ahaha

DSC_0031DSC_0037

A essa altura já estava morrendo de fome, era tipo 1 da tarde e saí do hotel sem tomar café, parei no primeiro Brioche Dorée que vi na avenida e praticamente inalei um baguette gigante. Energias repostas, continuei descendo a Champs-Élysées naquela calçada enorme, olhando uma rua lateral aqui, parando pra ver uma vitrine ali, até passar pelo Grand Palais e Petit Palais, tirar mais dezenas de fotos e decidir continuar até o Louvre.

DSC_0046 DSC_0047

Foi nessa viagem que descobri que não, eu realmente não nasci para viajar sozinha. Fora o fator óbvio “não tem quem tire a foto”, na minha opinião metade do prazer da viagem é dividir as descobertas, falar sobre, rir das coisas engraçadas pelo caminho, compartilhar o momento.. Pelo menos é assim que funciona pra mim, a não ser que seu companheiro de viagem seja completamente insuportável e estrague a experiência, mas são raras as criaturas que conseguem ser chatas a esse ponto.

DSC_0051 DSC_0057

Então passei o dia falando sozinha (não sou extrovertida a ponto de me enfiar num grupo e fazer amizade eheh) e aproveitando pra fazer uma coisa que Nic odeia com todas as forças: parar a cada cinco passos pra tirar foto. De tudo. Dar a volta no local e começar tudo de novo porque o céu abriu e a luz mudou. <3 De vez em quando é motivo até de briga, mas não consigo me controlar e nesse dia deu pra tirar TODAS as fotos que quis sem ninguém me apressando :-)

DSC_0081 DSC_0093

Pure bliss! Especialmente na Place de la Concorde, com suas fontes belíssimas e o obelisco gigante!

DSC_0098 DSC_0103

E aí cheguei na parte que estava mais ansiosa pra conhecer no dia: Jardin des Tuileries! Um monte de cadeiras ao redor do espelho d’água com turistas e parisienses comendo, lendo um livro ou simplesmente vendo a vida passar.

DSC_0139 DSC_0150DSC_0153

Passei um bom tempo no parque tirando fotos, aproveitando que o sol ainda estava no céu e o frio não tinha chegado, pra depois me juntar à fila de turistas entrando na pirâmide de vidro do Louvre. Só saí de lá hoooooras depois, mas o museu é inacreditavelmente gigante e com tantas coisas maravilhosas que seria um pecado colocar tudo no mesmo post.

DSC_0164DSC_0381DSC_0383

E aí a conferência de Nic acabou e nos encontramos nas Tuileries – a essa altura eu estava praticamente tendo ataques e num mau humor do cão com vontade de falar com alguém ahaha! Sou tímida mas sou tagarela e não consigo passar horas calada, ok xD Foi bem na hora daquela luz maravilhosa a minutos do pôr do sol (deu até pra ver um pedacinho da Torre Eiffel!) e aí fomos comer um filé gigante com muuuita batata frita e dauphinoise na Brasserie du Louvre, como manda o figurino quando em Paris.

IMG_1471 DSC_0376

RELATED POSTS

  • Pingback: Paris dia 2: Hôtel de Ville, Notre-Dame e Panthéon | Sete Mil Km()

  • Simbora voltar a comentar em blogs, sinto falta disso. Mas vai ser enoooorme só pra tirar o atraso de anos sem comentar em blogs hahaha.

    Eu fui pra Europa pela primeira vez na vida em Junho (já que não tenho dinheiro pra viajar todo ano nem dinheiro pra morar aí) e eu me apaixonei por Paris mesmo ficando lá por 4 dias e não tive nenhum desses problemas que vocês passaram, mas a experiência é BEM relativa e não posso comparar com Londres porque nunca fui pra lá infelizmente.

    Todo mundo com quem conversei em Paris e no interior da França/Luxemburgo/Alemanha foram bem mais educados e calorosos que o pessoal aqui no Rio Grande do Sul. Não sei como são as pessoas no Recife, mas o gaúcho é um povo frio, retrógrado, grosso e que não sabe lidar com os poucos turistas que tem e quando fui bem tratada nesses três países aquela ideia de que europeu é frio caiu por terra.

    Cheguei falando no meu francês mais básico perguntando de boa se a pessoa falava inglês e em 99.9% me tratavam super bem. E não senti o tal fedor francês que todo mundo fala já que acho Buenos Aires MUITO mais suja e mal cheirosa do que Paris (e o centro de Porto Alegre também). O cara de uma papelaria MUITO FOFA perto da Opéra foi tão querido comigo que a gente quase convidou ele pra jantar, quando ele soube que éramos brasileiras começou a falar com a gente em português porque a esposa dele é brasileira e ama o Brasil. Coisas da vida…

    Eu fui com a minha irmã (que mora na França faz 10 anos – sendo 1 ano em Paris) e ela sabia todos os melindres e truques de Paris pra gente não se sentir tão turista e poder pagar menos nas coisas. Nosso “hotel” não era bem um hotel, mas um alojamento de estudantes com um banheiro micro, mas as camas muito confortáveis e sem nenhum buraco afinal só estávamos lá pra dormir e tomar banho. Nos restaurantes desde os mais baratos aos menos caros fomos muito bem tratadas. Acho que Paris é uma loteria mesmo. Ou será que seres humanos são uma loteria?

    Fui pra viagem não querendo pegar filas gigantescas de 3hs, mas minha irmã me convenceu a subir no topo da Torre Eiffel (fiquei só meia hora na fila) e foi o momento mais espetacular da minha viagem. Ah, e fiz o passeio de barco e foi INCRÍVEL. Clichê? Pra caralho, mas não sei se eu voltarei a visitar a Europa então tenho que abraçar o clichê pra não ter rugas nem úlceras.

    Paris é caro pra cacete mas sempre me vendiam que Londres era bem mais. E agora?

    P.S.- Depois que conheci a Catedral St. Etienne de Metz, Notre Dame parece piada… e olha que sou ateísta e não queria entrar em igreja. Mordi a língua loucamente.

    • Julia, brigada por voltar a comentar em blogs justo no meu! :D E olha, fiquei com inveja da sorte que você teve em Paris! ahaha

      Como você disse Paris é uma loteria, e acho que meu problema com a cidade é justamente esse – os turistas pagam tão caro que o mínimo que deveriam receber é um bom serviço em todos os lugares né?! Sei que isso pode parecer meio utopia mas juro que é possível. Não me considero super viajada nem rica (sempre vamos em lugares baratex) mas em nenhuma outra cidade da Europa (ou do mundo) que já tenha conhecido eu me senti tão “dispensável” como em Paris. Todo mundo fala que os ingleses são frios e yada yada yada, mas duvido você entrar num restaurante aqui e não ser bem atendido, ganhar um bom dia, um sorriso, engatar uma conversa com o garçom e sair se sentindo bem – do botequinho com marmita a £3 ao restaurante caríssimo…

      Mas quanto ao interior da França eu concordo 100% com você, todo mundo que viaja pra lá diz que as pessoas são maravilhosas e que são o oposto dos parisienses. Só fiz um bate e volta a trabalho pra Lyon mas a diferença já foi gritante ahahaha. Voltarei a Paris um dia porque é perto daqui e não fica taaaaao caro assim (se comparado a ir pra Paris saindo do Brasil) e vou tentar fazer esse passeio de barco! Não tenho nada contra programas clichê, 99% é realmente bom e até o 1% que é atração pega-turista tem lá seu valor. Fiquei curiosa pra ir em Metz agora!!!

      E respondendo tua pergunta sobre Londres, a diferença de preço não é grande, são mais ou menos equivalentes (a não ser que você venha morar, aí acredito que Londres é mais cara). Mas como turista, IMHO Londres vale bem mais a pena que Paris porque além de ser uma cidade RIDICULAMENTE incrível aqui não tem esse elemento “loteria”.