A costa sul da Islândia

Desde que vi pela primeira vez uma foto de uma praia de areia negra, há uns 10 anos, sonho em conhecer o sul da Islândia. Apesar de não ser o lugar mais visitado do país, a costa sul concentra muitas atrações pros amantes da natureza como cachoeiras, geleiras, quilômetros e mais quilômetros de uma paisagem que parece “de outro mundo” e, claro, as incríveis praias de areia preta.

Costa sul da Islândia: um dia visitando cachoeiras, geleiras e praias de areia preta!

Costa sul da Islândia: um dia visitando cachoeiras, geleiras e praias de areia preta!

A costa sul vai do sul de Reykjavik até a famosa lagoa na geleira Jökulsárlón (onde ficam os icebergs flutuantes!), no Parque Nacional Vatnajökull, passando pela vila de Vík í Mýrdal e suas praias de areia negra. Após nossa decisão de não alugar um carro ficou mais difícil planejar um roteiro que incluísse tudo o que eu queria visitar na costa sul do país: nosso tempo na Islândia era pouco, os dias curtos e as distâncias relativamente longas…

Até que descobri o tour South Shore Adventure, que em um dia passava pelos pontos que eu mais queria conhecer no sul do país com todo conforto de não precisar dirigir no escuro, se preocupar com o vento forte, tempestades de neve, estradas fechadas etc. Durante o verão é possível dirigir por toda costa sul parando em quantos lugares você quiser, mas no inverno recomendo fazer um tour de um dia focado nos pontos mais importantes antes que o sol se ponha. ;)

A primeira parada do tour foi na Seljalandsfoss, uma das cachoeiras mais famosas da Islândia, que desagua num lago cercado de musgo. Essa cachoeira fininha tem impressionantes 63 metros de altura, e por causa de sua curvatura e distância das pedras dá pra andar atrás dela!! Infelizmente é o tipo de coisa que só dá pra fazer no verão, mas diz se a cachoeira não fica linda com a neve e o gelo?

Chegamos na Seljalandsfoss bem na hora em que o sol começava a nascer (lá pelas 11 da manhã! haha) e a paisagem ficou ainda mais linda com aquela luz do sol nascente… Pertinho da Seljalandsfoss também fica a cachoeira secreta Gljúfrabúi, escondida dentro de uma fenda no penhasco.

Cachoeira Skogafoss - costa sul da Islândia

Tivemos tempo de andar perto da Seljalandsfoss  e tirar muitas fotos, e em seguida era a hora de conhecer mais uma cachoeira, a Skógafoss! E não é coincidência que todas elas tem “foss” no final – a palavra significa cachoeira em islandês, então Skógafoss nada mais é do que a cachoeira do rio Skógá.

Quando chegamos na Skógafoss me deparei com a cachoeira mais diferentona que já vi até hoje. Olha como ela é perfeitamente retinha, parece que foi desenhada! E segundo a lenda, atrás dessa cachoeira tem um baú enorme cheio de tesouros que foi escondido pelo primeiro viking a se instalar na região – pena que não tem um caminho por trás da cachoeira pra gente ir lá checar ;)

Com 60 metros de altura e 25 de largura, foi muito impressionante chegar perto dessa cachoeira e sentir a força da água caindo no lago parcialmente congelado… Ao lado da Skógafoss tem uma trilha que leva até o topo da cachoeira, mas por causa das poucas horas de sol não tivemos tempo de subir (e pra ser sincera, com os degraus escorregadios também não me animei muito ahaha).

Nic tem mais coragem de andar no gelo e foi até pertinho da Skógafoss, e enquanto isso eu fiquei muito tempo observando cada detalhe, sentindo o vapor de água no meu rosto e tirando muitas, muitas fotos. Sem dúvida um dos momentos mais mágicos da nossa viagem pra Islândia!

Cachoeira Skogafoss - costa sul da Islândia

Reserve aqui o seu hotel em Reykjavik ou pesquise outras cidades no banner:
Booking.com

Mas foi a geleira de Sólheimajökull que mais me impactou, principalmente por ver bem ali na minha frente os efeitos do aquecimento global e como estamos destruindo um lugar tão espetacular.

Essa geleira faz parte de Mýrdalsjökull, uma das maiores geleiras da Islândia (curiosidade: é lá onde fica o vulcão Katla, que os cientistas dizem estar prestes a entrar em erupção!), mas que infelizmente não para de diminuir. A geleira recuou por volta de um quilômetro nas últimas décadas, e nosso guia mostrou onde o gelo batia na primeira vez que ele visitou o lugar… Estima-se que se nada mudar, a geleira vai desaparecer completamente em cento e poucos anos.

Geleira Solheimajökull - costa sul da Islândia Geleira Solheimajökull - costa sul da Islândia

É fascinante ver a história daquele lugar impressa na geleira: os córregos que congelaram e podem ser vistos através do gelo, as pedras e manchas de cinzas de erupções passadas, que vão modificando a paisagem ao longo de centenas e milhares de anos…

Se você tiver mais tempo também dá pra fazer uma caminhada na geleira de Sólheimajökull, os guais ensinam a andar no gelo e tem todo o equipamento necessário como grampos pras botas e picaretas. Não dá pra fazer esse passeio sem guia, é muito perigoso por causa dos buracos escondidos embaixo do gelo e dos pedaços das cavernas que sempre desmoronam por conta do movimento da geleira.

Geleira Solheimajökull - costa sul da Islândia Geleira Solheimajökull - costa sul da Islândia

Depois de um tempo na geleira e mais muitas fotos (é impossível não fotografar TUDO na Islândia, de tão impressionante que as paisagens são!), fomos almoçar na vila de Vík í Mýrdal, ou simplesmente Vík. Essa é a vila mais ao sul da Islândia, e apesar de ter menos de 300 moradores no último censo ela é a maior da região!

Paramos pra almoçar num posto de gasolina/restaurante/loja de souvenir e roupas de frio gigante bem na frente da praia de Vík, e foi lá que experimentei a famosa sopa de carne islandesa. É um caldinho de carne delicioso com legumes e pedaços de carne de cordeiro – nunca comi nada tão delicioso num posto de gasolina, e por coincidência tem o mesmo gosto da sopa de carne que minha avó faz! Recomendo experimentar a sopa, é o almoço perfeito pra aquecer o corpo num dia frio :-)

Praia de areia preta em Vik - costa sul da Islândia Praia de areia preta em Vik - costa sul da Islândia

Por causa das poucas horas de sol não visitamos a vila de Vík, mas além da igrejinha e de alguns restaurantes não tem muito o que visitar… As atrações da região estão todas ao redor da vila: cachoeiras, praias, campos e montanhas! E foi ali, na orla de Vík, que vi pela primeira vez uma praia de areia negra.

Praia de areia preta em Vik - costa sul da Islândia

É uma paisagem tão impressionante e única que não dá nem pra descrever. Os elementos tradicionais das praias estão ali: areia, falésias, o mar, as ondas, mas parece que você está em outro planeta, ou vendo o mundo em preto e branco. Sem dúvida nenhuma uma das praias mais lindas que já vi na minha vida, apesar de ser completamente diferente do que a gente imagina quando pensa em um dia na praia…

É nessa praia onde estão as três pedras gigantes que o folclore islandês diz serem três trolls, que foram petrificados quando o sol nasceu. E preciso dizer que o nosso dia visitando o sul da Islândia foi ainda mais especial graças ao nosso guia, que ia explicando detalhes dos lugares e lendas da região. Recomendo demais fazer esse tipo de passeio com um guia que entende do lugar, principalmente se for um tour para poucas pessoas como são os da Gateway to Iceland.

No nosso caso eram apenas 8 pessoas, e foi ótimo ter tempo de conversar com o guia, fazer mil perguntas e também não precisar competir com outras 50 pessoas pra tirar fotos no mesmo lugar. ;)

E aí chegou a hora de visitar a praia de Reynisfjara, a última parada oficial do tour e meu lugar preferido de todos que vimos na Islândia! Antes de pesquisar qualquer coisa pra essa viagem eu erroneamente achava que essa praia e a praia de Vík eram o mesmo lugar, mas na verdade a praia de Reynisfjara é ainda mais impressionante com suas colunas de basalto e cavernas pretas… E sim, dá até pra ver puffins, os pássaros marinhos mais fotogênicos do mundo, se você estiver viajando no verão!

Praia de areia preta Reynisfjara - costa sul da Islândia

Quando postei vídeos e fotos da praia todo mundo comentou como as colunas prismáticas de basalto parecem com as da Giant’s Causeway, na Irlanda do Norte, e sim, o princípio é o mesmo! Nos dois lugares as colunas foram formadas quando o magma ou lava vindo de erupções vulcânicas esfriou e o material rochoso se contraiu, mas parecem ter sido esculpidas milimetricamente à mão!

Ultimamente a praia de Reynisfjara tem ficado famosa pelas ondas gigantes que aparecem do nada; mesmo com registros de algumas mortes no lugar, muitos turistas não respeitam as placas e os avisos dos guias.

As chamadas “sneaker waves” podem vir mesmo quando a praia está aparentemente calma: nosso guia explicou que muita gente acha que o mar está tranquilo porque só estão vendo ondas pequenas, mas depois de uma sequência de ondas pequenas pode vir uma com metros de altura, sem nenhum sinal, e arrastar quem estiver muito perto do mar.

Ficamos chocados que mesmo com todas as explicações e placas, ainda tinha muita gente chegando perto da água pra tirar fotos… Não vou me espantar se fecharem a praia em breve para prevenir outros acidentes (que convenhamos, só acontecem porque os turistas não seguem as regras), então quem quiser conhecer a praia de Reynisfjara, andar na areia preta e tirar foto nas cavernas de basalto, vá logo!

Praia de areia preta Reynisfjara - costa sul da Islândia

Chegamos em Reykjavik à noite, com as câmeras lotadas de fotos e o coração cheio de memórias inesquecíveis. Obrigada Gateway to Iceland pelo apoio e por nos apresentar todos esses tesouros da costa sul da Islândia – agora estamos com ainda mais vontade de voltar pro país!

RELATED POSTS