Medellín na prática

medellin_centro3

Colômbia: Medellín na prática

Colômbia: Medellín na prática

Quando ir


Medellín tem um apelido bem conhecido entre os colombianos: é a “cidade da eterna primavera”. Por estar localizada num vale bem na Cordilheira dos Andes, a 1500m de altura, a cidade não é quente como outras com a mesma proximidade do Equador e o clima é constante o ano inteiro – uma eterna primavera, variando entre 17 e 28 graus. Sim, foi doído voltar pra Londres e meus 257163 casacos ahahah

A cidade tem aquela temperatura perfeita pra turistar o ano inteiro sem ficar morrendo desidratada durante o dia, e no fim da tarde tem aquele friozinho delícia pra todo mundo ir jantar mais arrumado. #frescuras Mas é no mês de agosto que a cidade atrai mais turistas por causa da Feria de las Flores, um festival que acontece desde 1957. Diz que tem desfiles de uns arranjos enooormes de flores antioquenhas, deve ser bem legal visitar nessa época e ver a cidade inteira florida. Ah, um fato relacionado que me disseram por lá e achei bem interessante: sabia que a Colômbia é o país com a maior biodiversidade por quilômetro quadrado do mundo?!

Enchendo a pança


Se eu já não tivesse me apaixonado pela Colômbia quando cheguei no aeroporto e pude tirar o casaco, com certeza nossa relação teria começado durante o meu primeiro cafe da manhã. Primeiro que as únicas coisas que eu reconhecia no buffet do hotel eram as frutas e os pães, todas as outras travessas e panelas tinham bolinhas, tirinhas e pãezinhos que não me lembravam nada que já tivesse comido na vida, nem sabia se era doce, salgado pavê ou pacumê.

medellin_comidaA pitaya colombiana entrou no último quadro pra deixar tudo ainda mais amarelo xD

Fui pegando um de cada porque sou gulosa mesmo, sentei na minha mesa e fiquei que nem uma idiota sorrindo sozinha ao provar as tais bolinhas e tirando foto pra registrar tudo (virou até piada entre as meninas porque eu sempre tiro foto do que tô comendo, mesmo que seja mais ou menos a mesma coisa todo café da manhã rs). Esses disquinhos redondos e achatados na foto superior direita são as famosas arepas, tipo uma panqueca de milho, que são vendidas em todo lugar com queijo e outros recheios.

Outros bolinhos típicos de Antióquia são os pandeyucas, à base de farinha de mandioca e queijo e os buñuelos, também feitos com milho e redondos-sem-comeco-meio-nem-fim. Sério, não entendi até agora como fazem essas bolas perfeitamente redondas (tem uma aberta na foto superior esquerda e duas fechadas na superior direita, achei BEM curioso porque parece um ovo alienígena mas dentro é um pãozinho ahah). E pra completar, omelete todo dia, pão de queijo (!!!), croquetes de batata.. E até uma versão do nosso baião de dois, a gordinha dentro de mim começava o dia feliz :-)

medellin_elpergaminoEmpanadas também estão por todos os lados, adorei essa do Pergamino!

Na verdade a culinária antioquenha é bem mais complexa do que pãezinhos mas eu me empolguei com essa variedade de formatos, farinhas e texturas, desculpa aí, carboidratos são vida. Para pratos mais “almoço” o mais tradicional é a bandeja paisa, que vem com arroz, feijão, carne moída, arepas, discos de banana comprida bem crocante (os patacones), abacate e vai crescendo pra sempre (pode ter tomate, ovos, o céu é o limite). Só depois que voltei percebi que não tinha provado a tal bandeja paisa (estava bem empolgada com outras coisas tipo bifes gigantes #churrascolover) mas provei tudo separadamente então tá valendo.

Outro prato tradicional que vale a pena experimentar é a cazuela de frijoles, uma variação da bandeja paisa num formato sopa, sem o arroz e adicionando milho. Bons restaurantes para provar a culinária antioquenha são o Mondongo’s e o 3 Tipicos, na região do parque Lleras.

medellin_comida2

E um bonus mezzo colombiano mezzo mexicano que também me enlouqueceu: tacos al pastor com uma sopa deliciosa de tomate com feijão, abacate e uns pedacinhos de tortilla (vindos de um food truck, que também estão bombando em Medellín)!

Agora chegou a hora da sobremesa.. Vá de obleas!!! Descobrimos esse pecado dentro da feira (aliás, tinha tanta coisa maravilhosa por lá que eu me sentia no céu, que diferença da feira de Paris onde so tem sanduíche e quiche velha ahaha), e nada mais é do que uma hóstia doce recheada. Assim, nunca comi (tomei? Recebi?) hóstia mas esse foi o comentário das meninas quando provaram a massa fininha.

medellin_comida3Creme de baunilha, arequipe e morango

Você escolhe o recheio e tem creme de confeiteiro, frutas, leite condensado, chocolate, geléias e derivados ou o famoso arequipe – guarde essa palavra com todo carinho – mais conhecido por nós como DOCE DE LEITE #todoschora <3 Uma outra descoberta arequipense (tão intima que já tô até inventando palavra..) eu vou mostrar lá embaixo na foto das compras, que é gordice demais pra uma categoria só.

Dá pra ver que não tem muita foto de fruta nas minhas comilanças porque as do hotel não tinham nada de diferente: uva, abacaxi, melão, melancia e derivados, mas recomendo provar pitaya amarela, granadilla (o maracujá colombiano) e a manga verde com limão e sal que tem pra vender em todo lugar. Os sucos tropicais também são maravilhosos, o de mandarina tem em todo lugar e como já contei no outro post, a limonada de coco é vida.

Dinheiro, bufunfa, verdinha


Sinceramente? Eu achei que a cidade seria mais barata. Foi tanto “nossa, voce vai ser rycahhh trocando libras por pesos colombianos” que fui achando que era o sudeste asiático e ia gastar tipo £10 por dia ahaha #confesso. Mas o tal peso colombiano me complicou demaaaais a vida, qualquer coisa era na casa dos milhares (muito rica comprando agua por 2 mil né) e não vou mentir, fazer a correspondência peso – dólar – libra de alguma forma ficava mais difícil a cada tentativa #beijosoudehumanas

Então num sei nem o que escrever aqui sobre custo, só sei que levei 200 mil pesos pra cobrir o básico da semana (uns $80 #alocka sei que é pouquíssimo mas não me julguem ahaha) e obviamente gastei o dobro disso em dinheiro e mais um pouco no cartão de crédito.

medellin_bolsasComprando artesanato no Parque Lleras

Quando coloco nas contas aquelas comprinhas básicas (quem nunca..?) tudo ficou uns $200, o que não é de graça mas convenhamos, também não é caro pra se gastar em 6 dias com alimentação, turismo, transporte, compras e lembrancinhas. (E sim, acabei de perceber que esqueço o preço de tudo e devia ter anotado pra fazer um post mais útil pra quem está lendo >_< Desculpaê, fica pra próxima rs)

Compras colombianas


E falando nas comprinhas.. O preço das bolsas colombianas eu lembro! ehehe #prioridades Eu já tinha pedido pro meu irmão me trazer uma Wayuu bag, mas vi tantas estampas e cores por lá que não sosseguei até achar mais uma pra chamar de minha (ainda mais quando lembrava do preço dessas bolsas na Europa e no Brasil).

As bolsas susu (ou mochilas susu, como eles chamam por lá) são feitas artesanalmente por membros da tribo indígena Wayuu, presente na Colômbia e Venezuela. As bolsas de crochê são feitas com fios de algodão coloridos e a técnica, aprendida com missionarias católicas no começo do século XX, vai passando de geração pra geração. É uma bolsa tão trabalhosa que leva em média 20 dias pra ficar pronta, não existe uma igual a outra e todas são iniciadas e finalizadas pela mesma Wayuu, garantindo uma estampa geométrica perfeita.

Medellin_compras

As bolsas viraram febre no mundo inteiro – inclusive com marcas cobrando quase mil reais por uma, oi? – mas o legal mesmo é comprar a bolsa direto de quem fabrica. Como isso não é possível (as tribos não ficam exatamente no meio da cidade, né), o mais próximo que cheguei de um consumo consciente que ajuda a economia local foi comprar de vendedores na rua. E ainda é bem mais barato, os vendedores cobravam entre 60 e 90 mil pesos (a minha saiu uns $25) dependendo do tamanho e da complexidade da estampa, enquanto nas lojas era o dobro disso :-) E vale bem a pena comprar no Parque Lleras, foi a maior variedade de cores que encontrei e o melhor preço #ficadica

Eu também não podia voltar pra casa sem trazer uma cerveja pro boy (essa marca Bogotá Beer Company é uma das artesanais mais famosas e tem em qualquer supermercado), café colombiano moído na hora do Pergamino Café, um maracujá colombiano contrabandeado na mala pra Nic provar eeeee AREQUIPE. Muito arequipe. Mas veja bem, não é qualquer doce de leite, é esse pote de doce de leite com coco Copelia, uma confeitaria que tinha um mini stand na Colombiatex e dava uma colherziiiinha do doce pra quem passava por perto.

Pensa num beijinho de coco. Agora pensa num beijinho delicioso feito com doce de leite.. Sim, eu passava pelo stand umas 5x por dia na cara de pau. Trouxe logo o pote de meio quilo pra não passar vontade e é amor verdadeiro, amor eterno.

Transporte


De outra coisa eu também lembro bem: como andar de taxi é barato na Colômbia! A maioria das corridas centro-hotel saía uns 10 mil pesos (aproximadamente $4) e num dia que passei bem mais de 1h no táxi indo de praça em praça porque o motorista ficou me enchendo de medo de andar sozinha, gastei 27 mil pesos. Sim, eu caí no golpe do taxista logo no meu primeiro dia.

medellin_metro2medellin_metro

Mas nem só de taxi vive o transporte em Medellín, muito pelo contrário! O sistema de metrô da cidade é muito bom e totalmente integrado com os ônibus e teleféricos, cobrindo bem as atracões turísticas. São duas linhas fazendo norte/sul e leste/oeste, além dos Metrocables, e os tickets custam míseros 2 mil pesos (menos de $1) por trajeto.

O único bilhete “mais caro” é o do teleférico que dá acesso ao Parque Arví, que custa 9200 ida+volta (e mais uma vez reforçando como Medellin é uma cidade incrível que inclui seus moradores, só os turistas pagam esse preço mais alto). Nós andamos de metrô uma vez num vagão fechado como parte da press trip e duas vezes sozinhas, e todo mundo ficou impressionado com a qualidade do sistema: pontual, MUITO limpo (mais um beijo pra Paris ahaha), confortável e bem ventilado.

DSC_1218Também tem muitos pontos pra alugar bicicletas pela cidade

Segurança


O assunto polêmico, mas vamos lá. Tanto em Medellin quanto em Bogotá a estratégia do governo foi de não só “encher a rua de policiais e atacar todos os marginais”, mas sim o conceito de segurança cidadã: cuidado com os espaços urbanos, aumento de salários e qualificação da polícia para que sejam realmente parceiros do cidadão. Esse trabalho preventivo deu tão certo que Medellín passou de absurdos 440 assassinatos anuais a cada 100 mil habitantes (a média mundial é em torno de 10) para apenas 26 no ano de 2014 (!!!)

Agenda de ciudad con prensa internacionalDSC_0625

Tirando o taxista louco que tentou me deixar paranóica no primeiro dia, turistar por Medellin é muuuito mais tranquilo do que eu imaginava. Claro que não é ~a cidade mais segura do mundo, vamos se cobrir de ouro e sair carregando um MacBook Pro na cabeça~, mas eu diria que é mais segura que qualquer cidade brasileira do mesmo porte.

Vi bem mais policiamento, não fui elogiada por homens nas ruas e, tirando uns grupos fumando uns baseados nas praças do centro, não vi nada de mais. Óbvio que tem que prestar atenção e ter os cuidados que todo turista tem qualquer lugar (coisas chamativas, máquina grande, celular à mostra o tempo todo etc), mas só me senti levemente desconfortável pra ficar usando esses aparelhos grandes bem no centrão-não-vejo-outros-turistas, sabe? Mas não tão desconfortável a ponto de deixar as coisas na bolsa, vale ressaltar, como vocês podem ver pelas fotos :-)

DSC_0639

SaveSave

  • Vai viajar? Reserve seu hotel no Booking.com usando o link ou banner do blog. Além de oferecer segurança, super promoções e a opção de cancelamento gratuito, você ainda me ajuda a manter o Sete Mil Km no ar sem pagar nada por isso. Muito obrigada! :-)
  • Me siga nas redes sociais para acompanhar todas as viagens e dicas em tempo real: InstagramYouTubeSnapchatFacebook e Twitter. Também compartilho muita inspiração de viagens que fiz e quero fazer no Pinterest do blog!

RELATED POSTS