Depois de começar nosso dia livre passeando pela orla de Kowloon, embarcamos no Star Ferry para cruzar a baía e chegar na ilha de Hong Kong. Ao desembarcar no fofíssimo Central Pier já fomos surpreendidos com essa vista – o skyline de Kowloon tem menos prédios mas também impressiona, vai! :-)

O que fazer em Hong Kong: As principais atrações da ilha de Hong Kong, incluindo templos, um parque lindo e o lugar pra onde eu iria se só tivesses alguma horas na cidade!

O que fazer em Hong Kong: As principais atrações da ilha de Hong Kong, incluindo templos, um parque lindo e o lugar pra onde eu iria se só tivesses alguma horas na cidade!

Embora Hong Kong tenha muitas atracoes espalhadas pelas suas diferentes ilhas, a ilha principal continua reunindo a maioria do que os turistas querem visitar. É aquela Hong Kong que a gente imagina quando pensa na cidade, sabe? Os prédios altíssimos, os bancos internacionais, as luzes e as lojas – muitas lojas.

Mas nossa primeira parada na ilha foi longe de toda essa modernidade: a gente queria ver os mercados de frutos do mar secos (!). Eu nem sabia que isso existia antes de comecar a pesquisar sobre Hong Kong, mas descobri que os frutos do mar secos são muito utilizados na cozinha chinesa. A maioria das lojas de frutos do mar secos ficam nos arredores da Des Voeux Road West, é fascinante ficar olhando pra aqueles pacotes e tentando adivinhar o que cada coisa é!

Clique para ler todos os posts sobre Hong Kong

Saindo do mercado, que fica mais pro lado esquerdo da ilha, fomos voltando em direção ao centro e nos perdendo pelas ruas comerciais até chegar no primeiro templo da viagem. Vou abrir um parêntese e dizer que eu não sabia muito bem o que esperar dos templos – não tivemos muito tempo pra planejar a viagem e eu só sabia que no meu mapa eu tinha marcado alguns templos na Tai Ping Shan Street. Chegando no bairro encontramos lojas de design, cafés, barzinhos – um lugar bem boêmio, sabe?

O que fazer em Hong Kong O que fazer em Hong Kong

Só que nada de templo – acho que subimos e descemos a rua umas 3 vezes até achar a entrada! O  mais louco é que nos arredores da rua tem uns 4 ou 5 templos dedicados a diferentes deuses, mas à primeira vista nenhum deles tinha “cara de templo” (seja lá o que cara de templo signifique, já que cada religião tem uma arquitetura distinta). Estamos tão acostumados com as igrejas, catedrais e sinagogas, que visitar nossos primeiros templos budistas e taoístas foi uma experiência inusitada.

O cheiro de incenso, o colorido das esculturas (e das frutas no altar!), a música e o movimento das pessoas fazendo seus rituais pros deuses é hipnotizante… Depois de entrar no primeiro, visitamos todos os mini templos que achamos pelo caminho, estivessem eles no nosso roteiro ou não! :-)

O magnífico Man Mo Temple


Mas o templo mais impressionante do dia definitivamente foi o Man Mo Temple, o templo dedicado aos deuses da literatura (Man) e da guerra (Mo).  O templo é budista e taoísta, e existem vários templos dedicados aos mesmos deuses em Hong Kong – esse, construído em 1847, é o maior de todos.

A primeira “atração” ao entrar no complexo, que também abriga outros salões, é esse painel gigante dourado com vermelho. Aliás, dourado e vermelho são as cores que você mais vai encontrar dentro dos templos, já que simbolizam sorte e prosperidade na China. Adicione a isso um salão com dezenas de incensos em espiral gigantes pendurados no teto (tão grandes que podem queimar por até três semanas!) e você tem um dos lugares mais impressionantes que visitamos em Hong Kong.

Man Mo Temple, Hong KongMan Mo Temple, Hong Kong

Depois de visitar todos os templos que achamos pelo caminho e entrar em algumas lojas fofas de design super moderno, o plano era comer um copo gigante de waffles com sorvete na Oddies Foodies, um dos mais famosos da cidade. Chegamos na hora em que a loja deveria abrir, ficamos esperando meia hora mas infelizmente nada aconteceu, então vamos ter que experimentar essa iguaria chinesa numa próxima visita :-)

Continuamos a caminhada e a essa altura já estávamos no Central-Mid-Level Escalators, um complexo de escadas rolantes no meio da rua aberto em 1993, e que até hoje é o maior do mundo. O sistema de transporte é meio que uma atração turística, porque onde mais você vai ver uma sequência de vinte escadas rolantes e rampas em sequência, com várias entradas e saídas?!

Na época em que foi construído acharam que viraria um elefante branco, mas o sistema é tão usado pela população e facilitou tanto a locomoção montanha acima e montanha abaixo, que muitas áreas acabaram ganhando vida e se desenvolvendo depois de sua instalação. Um bom exemplo é o SoHo, onde vários bares e restaurantes abriram no primeiro ou segundo andar dos prédios conectados às escadas.

As escadas sobem 135 metros, ligando a Queen’s Road (Central) até a Conduit Road (Mid-Levels), e  por causa da falta de espaços para construir duas escadas o sentido muda ao longo do dia. De manhã cedo ela desce, trazendo todos os trabalhadores que moram no alto até a área comercial, em Central, e a partir das 10 ela sobe, facilitando a vida de quem precisa navegar pelas ruas inclinadas de Hong Kong. Mesmo que você não vá visitar nada ali pelas redondezas, vale a pena passar na região só pra ver o sistema funcionando!

Hong Kong Park: Um oásis no meio de Hong Kong


Depois de andar por muitas e muitas horas, bateu vontade de descansar um pouco e quando vi no mapa, estávamos perto do Hong Kong Park. Achei que seria uma boa ideia sentar embaixo das árvores, mas não estava esperando encontrar uma vista tão linda. O plano de sentar e descansar foi rapidamente cancelado, e passamos um tempão andando pelo jardim (mais escadas pra subir e descer! ahaha), visitando o viveiro dos pássaros…

O que fazer em Hong Kong

E claro, tirando muitas fotos dos prédios fazendo aparições por entre as árvores, e admirando esse mar verde no meio de um dos maiores centros financeiros do mundo! Eu amo como algumas cidades conseguem integrar tão bem a natureza com o espaço urbano, e Hong Kong definitivamente é uma delas :-)

O jardim tem entrada gratuita, incluindo o aviário (para quem gosta de aprender sobre pássaros, tem um tour gratuito toda quarta-feira), e fica bem ao lado da estação do trem funicular que leva ao ponto turístico mais famoso de Hong Kong: The Peak!

Victoria Peak, a vista inesquecível de Hong Kong!


Não é segredo que eu sou apaixonada por vistas do alto, então é claro que esse é o lugar que eu estava mais ansiosa para visitar. Demos muita sorte de estar fazendo esse céu azul depois de dias de neblina/fumaça, justo no dia em que visitaríamos o The Peak, mas mesmo que o tempo estivesse feio e eu só tivesse poucas horas em Hong Kong, seria pra lá que eu iria.

O que fazer em Hong Kong

Provavelmente perderia um tempão das minhas poucas horas na cidade esperando pelo trem funicular, é verdade, mas não perderia de visitar o The Peak por nada! ahaha :-) Claro que existem outras formas de subir a montanha, mas na minha opinião nada se compara a pegar o trenzinho e ter aquela sensação “subindo montanha-russa” com a inclinação do vagão. Só que é preciso ter paciência, porque a fila dos ingressos está sempre dando voltas na rua e não dá pra comprar antecipadamente…

Mas todo esforço compensa, e se a vista da área aberta já é linda (a primeira foto aqui embaixo), a vista do alto do Sky Terrace 428 é para não esquecer nunca mais! Como o nome sugere, a plataforma paga fica a 428m de altura, e por um acréscimo de pouco mais de 5 dólares eu acho que vale muito a pena pagar pelo ingresso mais caro para ter uma vista 360º de Hong Kong.

O que fazer em Hong KongO que fazer em Hong Kong

No alto do Victoria Peak você também vai encontrar muitas lojas, restaurantes, algumas atrações turísticas etc. Dá pra passar horas e horas por lá, e depois de tirar um milhão de fotos tanto do alto do Sky Terrace 428 quanto no caminho com entrada gratuita que contorna a montanha, fomos jantar no meio das árvores no The Peak Lookout. Meu único arrependimento da tarde foi não ter parado na lojinha de souvenirs no terminal de chegada, achei que na hora de descer passaríamos pelo mesmo lugar e acabei ficando apenas com esse enfeite muito esquisito de Hong Kong pra minha árvore de natal xD

Eu também queria ter ido em algum rooftop tomar uns drinks e ver os prédios iluminados, mas o cansaço depois de 10 horas andando sem parar estava tão grande que nos contentamos em vê-los de baixo. Viajar a trabalho tem dessas, nós dois ainda tínhamos coisas pra fazer quando chegássemos no hotel e queríamos acordar cedo pra aproveitar nosso segundo (e último) dia completo de passeio…

Na foto estão alguns dos preédios mais iconicos de Hong Kong: Bank of China Tower (o meu preferido!), Cheung Kong Center e a sede mundial do HSBC, que significa Hong Kong and Shanghai Banking Corporation e foi fundado em Hong Kong.

  • Vai viajar? Reserve seu hotel no Booking.com usando o link ou banner do blog. Além de oferecer segurança, super promoções e a opção de cancelamento gratuito, você ainda me ajuda a manter o Sete Mil Km no ar sem pagar nada por isso. Muito obrigada! :-)
  • Me siga nas redes sociais para acompanhar todas as viagens e dicas em tempo real: InstagramYouTubeSnapchatFacebook e Twitter. Também compartilho muita inspiração de viagens que fiz e quero fazer no Pinterest do blog!

SaveSaveSaveSave

SaveSaveSaveSave

SaveSave

SaveSave

SaveSave

SaveSave

SaveSave

SaveSaveSaveSaveSaveSaveSaveSave

SaveSaveSaveSave

SaveSave

SaveSave

SaveSaveSaveSave

RELATED POSTS